D. José Traquina pede “excelência” aos docentes

Na manhã do passado sábado, dia 14 de novembro de 2015, o Centro Pastoral de Torres Vedras, na diocese de Lisboa, recebeu cerca de 200 professores de EMRC para a formação “O Desafio dos Novos Manuais”.

Logo pela manhã o encontro contou com a presença de D. José Traquina, bispo auxiliar de Lisboa que agradeceu aos professores “ aquilo que fazem pela educação. Eu sei que a dedicação de um professor não se mede pelo seu ordenado mas pelo ideal, pela vontade de construir, de colaborar. Quero em nome da Igreja e das famílias, manifestar gratidão pela boa vontade e gratidão pela vocação de professores”.

Para o Prelado é fundamental “valorizar a vossa missão porque mais do que professores que transmitem conhecimentos são educadores. Ser educador é mais do que transmitir conhecimentos. É a presença. A pessoa tem uma marca, um estilo de modo a testemunhar os valores”. D. José Traquina afirmou aos docentes que “a sociedade precisa do testemunho dos educadores e dos educadores cristãos. Não existe desenvolvimento humano sem passagem de valores”.

Novos manuais: “Apetece-me voltar atrás”

Analisando os novos manuais D. José Traquina mostrou-se com saudade e com a “sensação de quer voltar atrás porque no meu tempo não havia disto”, afirmou para afirmar que “a um docente de EMRC apenas se pede uma coisa: Excelência”.

A “excelência – continuou – vê-se “no trato com os alunos, com os outros e com a comunidade. A atenção individual é difícil porque tendes muitos alunos mas é fundamental”.

No final da sua intervenção o bispo auxiliar de Lisboa pediu aos docentes que se “amparem mutuamente” e destacou a importância do “cuidado pessoal de cada um” sob pena de “não poder cuidar dos outros”.

Fernando Moita faz balanço positivo

Em declarações à Agencia ECCLESIA o coordenador do Departamento do Ensino Religioso Escolar (DERE), professor Fernando Moita, afirmou que “estas sessões têm como objetivo dar a conhecer os novos manuais da disciplina após a reformulação do Programa de EMRC, edição 2014” tendo feito um “balanço muito positivo” do trajeto até esta formação:

“Os professores pelo país todo tiveram oportunidade de conhecer os novos manuais, dialogar com as equipas que os elaboraram e a sensação que temos é que há um instrumento muito dignificante para que a aprendizagem da EMRC aconteça com qualidade e seja qualificante”, referiu o responsável pelo DERE.

O padre Paulo Malicia, director do Secretariado do Ensino Religioso Escolar (SDER) de Lisboa, afirmou que os novos manuais “são bons instrumentos de trabalho, atualizados, novos conteúdos, metodologias, pedagogias mais adaptadas aos tempos de hoje” mas que “ainda estão a dar os primeiros passos” sendo cedo “para balanços”.

 

A formação ‘A disciplina de EMRC: Desafios dos novos Manuais’ vai passar pelas dioceses de Angra (Açores) e Funchal (Madeira), em janeiro de 2016, concluindo este ciclo.